Como em uma coleção de contrários

passa o sorriso
passam as curvas
passam as folhas numinosas


passam também as lágrimas
uma vez tão amargas.

Passam as brasas de teu silêncio
a pele se regenera dia após dia
e isto também passa.


passa a cicatriz, e a nova marca escolhida.
passa uma calma
que parecia vir para ficar.

passam as certezas, passam as dúvidas
passa também a palavra última.

Volto atrás, dançar pode fazer bem.
Mas passa afinal a música


e passa o fim por mim
bem rente, com suas luzes.

E depois do fim,
como será?


Pois há em mim algo que não passa,
que persiste em querer
me conhecer
depois que tudo assim passar.

Deixe um comentário